Graças a um Padre de Brunssum, Holanda, Frei Carmelo Cox, René Poels de Meerlo dedicou trinta anos de sua vida às crianças de rua.

Graças a um Padre de Brunssum, Holanda, Frei Carmelo Cox, René Poels de Meerlo dedicou trinta anos de sua vida às crianças de rua.

Rio de Janeiro.

Ontem às 18:59 por Rob Dieleman

Dankzij een pater uit Brunssum zette René Poels uit Meerlo zich dertig jaar lang in voor straatkinderen in Rio de Janeiro

fotógrafo: Mara van den Oetelaar / De Limburger

Após 30 anos, René Poels diz adeus à Fundação São Martinho.

Após trinta anos, René Poels renunciou à Presidência da Stichting Sint Martinus, através da qual, segundo ele, deu a milhares de crianças do Rio de Janeiro uma vida melhor.

A Stichting Sint Martinus encontrou recentemente um novo Presidente. René Poels demitiu-se para poder passar mais tempo em outras atividades (tais como o Pavilhão Mundial Steyl) e com a sua família. Da mesma forma, o vice-presidente Bernard Ruyten está de partida. Ele estava no quadro de funcionários há 15 anos, metade do tempo em que Poels esteve ativo. Poels esteve na base da Stichting Sint Martinus, angariando fundos nos Países Baixos para ajudar as crianças de rua no Rio de Janeiro.

Amazônia

A história da fundação começa no final dos anos 80, quando Poels ainda estava trabalhando como jornalista. Para contar uma história, ele e o fotógrafo Gé Hirdes partiram para a Amazônia, aqui no Brasil. “Voamos para o Rio, onde tivemos de esperar um dia inteiro pelo nosso vôo de conexão”, diz Poels, que na época tinha ouvido dizer que o Padre Martin Cox de Brunssum estava trabalhando na cidade. Poels havia decidido enviar-lhe uma carta antes da viagem. “Não houve resposta”, diz Poels. Porém, ao chegarem no Rio, alguém estava à espera dos dois holandeses e foi-lhes dada uma visita guiada à cidade maravilhosa. “Cox tinha arranjado isso”. Para agradecer ao padre, foram visitá-lo. Lá, Poels ouviu falar dos projetos que o Padre tinha criado para ajudar as crianças de rua da cidade. “Ele havia nos dito que as crianças haviam sido abatidas como cães e que ele estava tentando ajudá-las. Isso mexeu muito comigo”.

Dankzij een pater uit Brunssum zette René Poels uit Meerlo zich dertig jaar lang in voor straatkinderen in Rio de Janeiro

Poels (em pé, terceiro da esquerda) e Bernard Ruyten (em pé, à direita) no Rio de Janeiro. Foto: Fundação São Martinho.

100.000 florins

Quando Poels regressou aos Países Baixos, escreveu uma história sobre as atividades do Frei Carmelo Cox. Por conta disso, acabou aparecendo em vários jornais. A consequência foi impressionante, e no espaço de um mês Cox tinha acrescentado 100.000 florins à sua conta. Durante uma segunda viagem, Poels viu com os seus próprios olhos o quanto Cox estava fazendo pelas crianças carentes do Brasil, e soube imediatamente que também iria comprometer-se com as crianças de rua.

E assim aconteceu. A Stichting Sint Martinus (tal qual o nome do Frei) foi criada, e centenas de escolas, igrejas, associações de mulheres etc., foram chamadas para contar as histórias de Cox e de sua associação – Associação Beneficente AMAR. O objetivo era angariar o máximo de recursos financeiros possível, e a missão foi cumprida com sucesso: “No total, angariamos 1,6 milhões de euros até hoje”, diz Poels. Cox faleceu em 2013, mas a associação continua a ajudar centenas de crianças e adolescentes.

 Dankzij een pater uit Brunssum zette René Poels uit Meerlo zich dertig jaar lang in voor straatkinderen in Rio de Janeiro

Poels durante uma das suas viagens ao Rio. Foto: René Poels

Circuito criminal

Através da Stichting Sint Martinus e da Associação Beneficente AMAR, têm sido realizadas abordagens de rua, distribuição de cestas básicas, acolhimento institucional, assistência psicológica e médica, atividades educacionais, culturais e esportivas. A situação dos jovens no Rio ainda é difícil, especialmente durante a pandemia, mas Poels é positivo. “Se não tivéssemos feito nada, a maioria desses jovens teria acabado no circuito criminal. Vale a pena lutar por cada criança. Já ajudamos milhares de jovens”.

Feliz com o sucesso do trabalho, Poels decidiu se aposentar no ano passado. Agora se ocupa com outros passatempos e atividades e quer dar mais atenção à sua família. Ele deixa a Stichting Sint Martinus com uma boa sensação, apesar da dor da separação. “Dói muito tomar essa decisão, mas a organização parece ir muito bem sem mim. Há um novo quadro de funcionários fantástico na Fundação e Associação que irão continuar com o trabalho. Vamos continuar a dar às crianças no Rio uma mochila cheia. Cheia de amor e bondade.”

Dankzij een pater uit Brunssum zette René Poels uit Meerlo zich dertig jaar lang in voor straatkinderen in Rio de Janeiro

As crianças em situação de rua no Rio podem participar de projetos graças à ajuda dos Países Baixos. Foto: Stichting Sint Martinus 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *