Fundação São Martinho Para atendimento a meninos de rua do Rio de Janeiro. 30 anos de campanhas para meninos de rua, 1,6 milhões de euros arrecadados, milhares de crianças ajudadas.

Fundação São Martinho Para atendimento a meninos de rua do Rio de Janeiro. 30 anos de campanhas para meninos de rua, 1,6 milhões de euros arrecadados, milhares de crianças ajudadas.

Após dois anos de provações, a Fundação Sint Martinus foi oficialmente criada em 6 de agosto de 1992 com o objetivo de arrecadar dinheiro na Holanda para apoiar os meninos de rua no Rio de Janeiro do missionário Limburg Padre Martin Cox (Frei Carmelo). Padre Cox foi economista do Mosteiro dos Carmelitas, na Lapa, no Rio de Janeiro, e é um dos primeiros dessa metrópole a trabalhar pelos meninos de rua. Inicialmente através da organização Associação Beneficente São Martinho e posteriormente através da Associação Beneficente AMAR e do Centro de Direitos Humanos CEDECA. O Padre Cox faleceu em 2013 aos 90 anos. Ainda estamos em contato com os outros dois iniciadores da época: irmã Adma Cassab Fadel e Roberto José dos Santos.
A primeira diretoria foi formada por Ted Raedts-Thomassen de Deurne, Henri de Krijger de Malden e Henk Schouten de Almelo. René Poels foi inicialmente um consultor e, pouco tempo depois, membro do conselho / presidente. Junto com o fotógrafo Gé Hirdes, ele visitou os projetos no Rio e fez filmes e muitas fotos.
Gerard Schijen (presidente), Padre Martin Cox (vice-presidente) Willy Thelosen (membro do conselho) Paul Raedts (presidente Deurne), Sef Mateijsen (de Nuenen, tesoureiro) Piet van den Heuvel (tesoureiro de Nuenen) estavam no conselho., Ten Duijf (membro do conselho de Meerlo), Karin Vestjens (secretária de Meerlo), Ton van Dijk (tesoureiro Geldrop).
O último conselho consiste em: René Poels (de Meerlo, presidente), Bernard Ruyten (de Venray, vice-presidente), Rob Hendriks (de Lomm, tesoureiro), Jeannette Boumans (de Nijmegen, membro do conselho) e Jeroen Daniëls (de Heibloem , membro do conselho)
A fundação tem dois conselheiros: Teja Muller-Vroom no Brasil e Nard Reijnders em Broekhuizenvorst. Além disso, tivemos a banda de percussão Buzardo como embaixadores musicais por vários anos.
Desde o início, a Fundação Martinus tem colaborado com a organização não-governamental belga VIC, mais tarde chamada de KIYO. Cada euro que enviamos para o Rio via KIYO foi quadruplicado pelo governo belga. Com o trabalhador de desenvolvimento Jan Daniels da KIYO no Rio de Janeiro, trabalhamos juntos de maneira excelente nos últimos trinta anos e construímos um vínculo de amizade.
No início eram principalmente amigos, parentes e conhecidos da família Cox que apoiavam o trabalho. Ao longo dos anos, a fundação contou com mais de mil doadores / simpatizantes e foram realizadas campanhas em todo o país. Fornecemos noites de slides, filmes e palestras em organizações femininas, clubes de serviço, escolas e paróquias de Groningen a Maastricht. Uma pequena seleção das várias ações: Estivemos envolvidos em algumas ações grandes e pequenas, como o RIO day of SOS em Meerlo-Wanssum (1994), concerto da banda punk De Heideroosjes no Festival Mundial em Tilburg (2001) e um ação do fã-clube de Rowwen Heze. A escritora Lulu Wang realizou uma campanha e a Ministra Maria van der Hoeven (educação / cultura) visitou o projeto e apoiou nosso trabalho junto com a Equipe Pró-Ciclismo de Limburg. A Maratona de Enschede nos apoiou em 2004 e o Zomerparkfeest de 1998 doou o frasco de pontas. Durante a Copa do Mundo no Rio de Janeiro, o fã clube do ciclista Wout Poels doou uma grande TV para a Casa Don Helder Câmara.
A Rainha Beatriz visitou o projeto das crianças de rua São Martinho junto com o Príncipe Willem Alexander e a Princesa Máxima em 2003. Anteriormente, a Princesa Diana e o Príncipe Reinier de Mônaco também visitaram.
Publicamos cinquenta boletins informativos e organizamos regularmente um dia de Martinus para os doadores em torno da festa de St. Maarten (11 de novembro).
Também fizemos alguns documentários no Rio para educação nas escolas e noites informativas. Para a série L1 `Limburg Helpt`, o cineasta Marijn Poels fez um documentário sobre seu pai René como desenvolvedor no Rio de Janeiro. Marijn também fez o filme comovente de Pablo: de menino de rua a advogado. Além disso, publicamos diversos livretos: Falando do Futuro e Soltando Pipa no Rio. Especialmente nos primeiros anos, muita publicidade via jornais regionais diários e semanais e o Regionale Omroep Zuid (posteriormente L1).
Nos últimos 30 anos, a Fundação Martinus arrecadou mais de 1,6 milhão de euros e repassou para os projetos de meninos de rua da AMAR no Rio de Janeiro. Esse dinheiro vem de doadores, escolas, paróquias, fundos, fundações, brechós, campanhas em municípios, vilas e paróquias, etc.
Alguns exemplos de projetos realizados:
• Construir uma casa para meninas (meninas de rua grávidas ou que tiveram um bebê (1995, junto com SOS Meerlo-Wanssum)).
• Construção de um centro médico (1994, em conjunto com o grupo de trabalho Brunssum))
• Projeto agrícola Francisco (1996, juntamente com o festival da colheita de Sallands, Stöppelhaene Raalte)
• Escola de padaria em Niterói (em 1997, junto com a Venray Foundation for Rio)
• Construção de um abrigo especial 24 horas para jovens traumatizados (junto com Wilde Ganzen)
• Construção de sala de terapia e abrigo para playground para deficientes físicos projeto Pestallozi em Saquarema (Louis Jesoirens)
• Criação de uma escola de futebol (em conjunto com a organização brasileira / holandesa IBISS)
• Construção de uma grande escola primária em Bacaxa (1997, junto com a fundação Brabant)
• Realização de um complexo desportivo na Casa Don Helder Camara (2015, em conjunto com a organização protestante IMPULSIS e a equipa KLM Wings of Support)
• Compra de duas vans Volkswagen para o transporte de crianças de rua (junto com, entre outros, MIVA Holanda)
• Construção de uma pequena piscina terapêutica para crianças deficientes Pestallozi em Saquarema
• Reforma de escola rural Escola Prof. dr. Francisco Vignoli em Baxaca
Além disso, temos apoiado alguns programas da AMAR e CEDECA nos últimos 10-15 anos, tais como:
• Custos com van de passageiros: motorista, seguro, fabricação de pneus e manutenção.
• Assistência pedagógica e aconselhamento escolar para crianças e famílias ex-meninos de rua
• Assistentes sociais que orientam crianças em seu retorno para suas famílias
• Trabalho de crianças de rua por educadores de rua
• Apoio ao centro de direitos humanos CEDECA, apoio jurídico para crianças de rua em, entre outras coisas, prisões juvenis.
• Distribuindo cestas básicas para famílias pobres de favelas na época do Natal (Henny Huuskes)
• Salário de um professor de esportes no complexo esportivo da Casa Don Helder Camara (ação em conjunto com a Wings of Support, organização beneficente do pessoal voador da KLM)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *